quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Jesús Tavarangué y Santa Cruz de la Trinidad del Paraná: um sonho real

Eu sempre fui partidário da ideia de anotar meus sonhos. Essa prática foi incentivada pela psicanálise e Jung via no processo de descrição dos sonhos uma maneira de atingir o inconsciente mais profundo de seus pacientes. Com esse conhecimento, seria possível compreender e curar as neuroses.
Porém, uma coisa muito difícil é descrever um sonho estando dentro de um.
Parece estranho, mas é exatamente como me senti quando me coloquei diante das ruínas das antigas Reduções Jesuíticas no Paraguay.

Yo y Giu en la escalera del sueño
Para começar, conhecer aquele lugar havia se tornado uma questão de honra para mim. Havia muito tempo eu sonhava com a visita, e por diversos motivos, não conseguia empreender essa viagem.
De certo modo, Jesús Tavarangué e Santa Cruz de la Trinidad del Paraná, bem como a mítica Ruta 6, que liga a caótica Ciudad del Este até o extremo sul do país, na cidade de Encarnación, às margens do não menos mítico Rio Paraná, fronteira com Posadas na Argentina, haviam se tornado uma estranha obsessão de minha parte.
Não sei explicar por quê, mas uma ligação metafísica me une ao País Guaraní. E apesar de toda difamação que o Paraguay sofre por parte de muitos brasileiros, que veem o país de maneira reducionista, como um grande shopping center e nada mais, eu afirmo exatamente o contrário do velho estigma.

O ônibus mais famoso do Paraguay
O Paraguay tem uma história, um povo, uma organização próprias, e não há nenhum paralelo com outros países do mundo. A formação e a história do país, sua língua, suas tradições, são misteriosas, por conta do isolamento que o país enfrentou ao longo de sua história, desde a Independência em 14 de maio de 1811.
Recentemente, os obscuros anos Stroessner foram particularmente mutiladores da autonomia do país, um freio do desenvolvimento que jamais veio, o que trouxe mais isolamento, além levar a tortura, morte e corrupção ao povo paraguaio.

 Os pórticos com ícones que representam a Autoridade Papal, os símbolos de Pedro (as chaves) e Paulo (as espadas), a flor de maracujá que representa a cultura guarani, a concha, que representa o nascimento de Cristo e a Flor de Lis, símbolo da Companhia de Jesus.
Mas é por conta desse mistério que muitas vezes nascem coisas inexplicáveis. A Utopia das Reduções Jesuíticas - que na verdade, não estão apenas no Paraguay, mas também na Argentina e no Brasil - trata-se de um desses mistérios. À margem das badaladas San Ignacio Mini, na Argentina e São Miguel, no Brasil, Jesús Tavarangué e Trinidad exprimem a calma, a contemplação e a vida simples que se vê no interior do Paraguay.
Patrimônio da Humanidade pela Unesco desde 1992, o que se encontra naqueles sítios é algo impensável para um parque mundial: poucos turistas, muita atenção por parte dos guias e diretores do parque, e tranquilidade e silêncio suficientes para se pensar no que poderia ter sido esta Utopia Jesuítica-Guarani, que ousou fundar um estado baseado na fé, na justiça e fraternidade, na vida comunitária e no conhecimento. 
 Jesús Tavarangué: A cidade não terminada

Talvez por isso mesmo, tenha acontecido o que é tão comum na história Latino-Americana: incompreensão, repressão, opressão, destruição, aniquilação do sonho, das pessoas e das histórias.
Meu sentimento sincero e vívido diante daquele lugar é de que, de alguma maneira, os ideais de igualdade, paz, justiça, fraternidade e conhecimento estão lá, como sementes adormecidas, que de algum modo, em algum momento no tempo, irão brotar, frutificar e multiplicar.
Nesse dia, finalmente o sonho guaraní ganhará forma e terá de volta seu lugar na história do mundo.


 Santa Cruz de la Trinidad del Paraná
 Giuliana e Matias: compañeros en mi sueño


 Matías Benitez: Autenticamente paraguayo

 Hermenegildo, guarda de Trinidad: o tererê sempre presente para suportar o forte calor.

 Detalhes que mostram o grau de rebuscamento atingido pela arte indígena sob o comando dos jesuítas.

 Uma utopia que tem lugar

 Portal para um sonho antigo, mas colorido e vívido como o céu azul do Paraguay.
 A entrada de um sonho que parecia real - ou uma realidade onírica?

 Líder, o menino artesão
Detalhes que tornam o lugar ainda mais belo

La señora de las hierbas y raíces para el tereré
 



*Gostaria de dedicar este post a Giuliana, por acreditar nesse sonho e dividi-lo comigo, Matías (meus parceiros e cúmplices), Susana (do Hotel Crystal, o melhor de Encarnación), Ninfa (a garota que nos serviu um almoço delicioso en Trinidad), Hermenegildo (o guarda mais calmo do planeta), Líder (o menino autor de refinada artesanía), Isabela (a guia em Jesús, cujas informações e conhecimentos foram fundamentais), aos avós de Matías (que nos emprestaram gentilmente sua picape), ao pai de Matias, médico em Encarnación (que atenciosamente ajudou Giuliana a se curar de uma alergia), a todas as senhoras vendedoras de ervas para Tererê das ruas de Encarnación, e a todo o POVO PARAGUAYO. 
PAZ Y JUSTICIA SIEMPRE!

14 comentários:

  1. ô, que lindo. obrigada.
    giuliana agradece

    ResponderExcluir
  2. Muito lindas as fotos André! Que bom que conseguiu realizar a viagem. Abração pra tu e pra Giu

    ZéRo

    ResponderExcluir
  3. Hudson(wiecTheKiller)7 de janeiro de 2011 01:34

    Salve o Paraguay, país que merece ser mais divulgado onde certamente existe muita hitória e beleza.
    Parabéns amigo André pela divulgação e explanação.
    Sucesso!!!!

    ResponderExcluir
  4. Maravilhoso, tudo. Entendo bem essa coisa de sonho, típica pisciana... Viajei com vocês! Qdo voltar conte mais. Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Olá, André
    Bonito, sensível e instigante. Parabéns.
    Almir

    ResponderExcluir
  6. Oi André.
    Muito lindo,emocionante.
    Parabens e um maravilhoso ano de 2011.
    bjs
    Leda

    ResponderExcluir
  7. Oi André,
    Parabéns pelo seu blog, seus posts, suas fotos, seus sonhos.
    Adoro dar uma passada aqui, sempre uma aula em conheciemnto e cultura, dignos de um livro.
    Um grande abraço,
    Dayane

    ResponderExcluir
  8. obrigado giu, winston, zéro, hudson, almir, tass, leda, dayane.

    ResponderExcluir
  9. Primo, você continua sendo meu guru.
    Abs.
    Marcelo Blatislav

    ResponderExcluir
  10. Sua paixão pelo Paraguai e seu povo é inspiradora. Me faz valorizar ainda mais a simplicidade. Obrigado!

    ResponderExcluir
  11. Adorei. Tenho o sonho de conhecer a América Latina por esses interiores... e Paraguai é um mistério para mim que me atrai.

    ResponderExcluir
  12. Obrigado, Marcelo, Elias.
    Deda: O Paraguai é ali do outro lado. Pega a mochila e vai!

    ResponderExcluir
  13. Gostei do blog, de saber que existem outros brasileiros que como eu sente afinidade pelo Paraguai, que tem por aquele país, um olhar livre de preconceito e de hostilidade. Tornei-me fã do Paraguai já nos tempos de menino, quando li sobre o fratricídio da tríplice aliança que aniquilou o Paraguai próspero e independente construído pelo inefável Jose Gaspar Rodrigues de Francia.

    Sugiro esta postagem no meu blog que fala sobre a guerra e sobre o Paraguai, segue:
    http://mateusbrandodesouza.blogspot.com/2010/11/paraguay-quem-te-viu-quem-te-ve.html

    ResponderExcluir

Eu aprecio os comentários aos meus posts. A identificação não é obrigatória, mas sempre agradeço àqueles que dizem ao menos seu nome. Não deixe de comentar o que achar interessante! Obrigado.

I really like comments to my posts. Identification is not required, but I will apreciate if you let me know who you are. Make your comments to all that you enjoy in this blog! Thank you.